Home / COVID-19 / "Banho de água fria"
PUB

"Banho de água fria"

Globalmente, face a este mesmo trimestre de 2019, o volume de negócios total dos fabricantes automóveis analisados passou do valor mais elevado de sempre para o mais baixo alguma vez observado em 10 anos. Um "banho de água fria".
14 Set. 2020
"Banho de água fria"
PUB
Rentabilidade dos construtores negativa pela primeira vez desde 2009 Segundo análise da EY, no segundo trimestre de 2020, a rentabilidade média dos grupos automóveis apresentou, pela primeira vez em muito tempo, um valor negativo. Não há dúvida de que a crise de saúde do coronavírus impactou a saúde financeira dos construtores automóveis. Mas em que medida? O tradicional estudo trimestral realizado pela EY oferece respostas concretas a...
Rentabilidade dos construtores negativa pela primeira vez desde 2009

Segundo análise da EY, no segundo trimestre de 2020, a rentabilidade média dos grupos automóveis apresentou, pela primeira vez em muito tempo, um valor negativo.

Não há dúvida de que a crise de saúde do coronavírus impactou a saúde financeira dos construtores automóveis. Mas em que medida? O tradicional estudo trimestral realizado pela EY oferece respostas concretas a essa pergunta. Primeira observação, de abril a junho de 2020, no coração da crise, enquanto a atividade económica permaneceu completamente paralisada em grande parte do mundo, as vendas globais de automóveis de passageiros e VCL dos 17 maiores fabricantes caiu 39%, de 19,1 para 11,8 bilhões de unidades. E nenhum fabricante escapou a essa tendência, embora nem todos tenham permanecido iguais face ao declínio. As maiores quedas foram observadas para Suzuki (-64%), FCA (63%) e PSA (-60%), com a menor queda observada para Tesla (-5%).

Como resultado, o faturamento acumulado também caiu drasticamente, em 41%, ou 176 bilhões de euros entre abril e junho de 2020. Os 17 fabricantes geraram, assim, 257 bilhões de euros em faturamento. Aqui, novamente, todos os grupos analisados sofreram este declínio, começando pela Mitsubishi (-57%), FCA (-56%) e Mazda (-56%). E aqui novamente, Tesla é o ator que se saiu melhor com um declínio moderado nas vendas (-5%).

Globalmente, face a este mesmo trimestre de 2019, o volume de negócios total dos fabricantes analisados passou do valor mais elevado de sempre para o mais baixo alguma vez observado em 10 anos. Um banho de água fria, portanto, que inevitavelmente impactou o resultado operacional. Entre o segundo trimestre de 2019 e o mesmo período de 2020, este último caiu de 21,7 bilhões de euros para -10,8 bilhões de euros. Dos 17 fabricantes, apenas um conseguiu estar "em jogo", sem surpresa a Tesla, os fabricantes americanos e alemães foram os que mais sofreram.



Rentabilidade média no vermelho  

Com isso, no segundo trimestre de 2020, a rentabilidade dos construtores analisadas apresentou um valor negativo pela primeira vez desde 2009, passando de 5% para -4,2%, uma queda de 9,2 pontos. A lucratividade geral dos fabricantes caiu, portanto, no segundo trimestre pelo terceiro ano consecutivo. Mais uma vez, os fabricantes não foram todos iguais: a Mitsubishi foi uma das grandes perdedoras, com uma margem que caiu para -23,2%, a Nissan também (-13,1%), assim como a Mazda (-12%). Apenas seis players tiveram uma margem positiva. Tesla, negativo em -2,6% em 2019, ficou verde em + 5,4%, mas também Hyundai (+ 2,7%), PSA (+ 2,4%), Kia (+1,3 %) e finalmente Suzuki e Toyota (+ 0,3%).

Os indicadores são um pouco melhores ao longo do primeiro semestre do ano, estando os três primeiros meses do ano relativamente intocados pela crise. Assim, o volume de negócios dos 17 players globais considerados caiu 25% para 641 bilhões de euros contra 856 bilhões no primeiro semestre de 2019, enquanto o lucro operacional caiu 45%, para - 3,7 bilhões de euros. Por fim, a margem ficou limitada nos primeiros seis meses do ano a -0,6% ante 4,9% no mesmo período de 2019.


PUB  
PUB  
PUB