Home / COVID-19 / Covid-19: Taxa de infeção em Nova Iorque é um "comboio-bala"
PUB

Covid-19: Taxa de infeção em Nova Iorque é um "comboio-bala"

Andrew Cuomo, o governador de Nova Iorque, não poderia trazer piores notícias. O Ocidente à beira de um colapso.
25 Mar. 2020
Covid-19: Taxa de infeção em Nova Iorque é um "comboio-bala"
PUB
Estado contabiliza já 189 mortes, o pico da doença deverá acontecer dentro de duas semanas, hotéis e escolas vão ser transformados em hospitais e profissionais de saúde na reforma vão ser chamados a trabalhar. A conferência de imprensa diária para atualizar os dados sobre a Covid-19, em Nova Iorque, aconteceu ao início da tarde. Andrew Cuomo, o governador, não poderia trazer piores notícias. "A taxa de infeção continua imparável....
Estado contabiliza já 189 mortes, o pico da doença deverá acontecer dentro de duas semanas, hotéis e escolas vão ser transformados em hospitais e profissionais de saúde na reforma vão ser chamados a trabalhar.

A conferência de imprensa diária para atualizar os dados sobre a Covid-19, em Nova Iorque, aconteceu ao início da tarde. Andrew Cuomo, o governador, não poderia trazer piores notícias.

"A taxa de infeção continua imparável. Não estamos a conseguir acalmá-la, está a acelerar por si própria. Não estamos perante um comboio de carga (lento), estamos perante um comboio-bala (de alta velocidade), porque os números estão a crescer rapidamente".

Com um ar visivelmente preocupado em toda a conferência de imprensa, o governador revelou que estima que serão precisas 140 mil camas para receber doentes, mais de metade da capacidade atual dos hospitais.

"Eu vou virar o estado ao contrário para conseguir o número de camas que precisamos, mas eu preciso de profissionais de saúde para essas camas"

As autoridades estão a considerar recorrer a hotéis e a escolas para colmatar a necessidade de camas e a profissionais de saúde reformados para suprir a falta de recursos humanos.

Porém, as notícias preocupantes não ficam por aqui: o número de ventiladores disponíveis é de tal forma insuficiente que os hospitais estão a estudar uma técnica para que dois doente possam partilhar o mesmo aparelho. A Federal Emergency Management Agency enviou para o estado 400 ventiladores, mas são precisos 30 mil. Andrew Cuomo não gaguejou na hora de dizer aos jornalistas o que respondeu à agência de emergência federal:

"O que é que eu vou fazer com 400 ventiladores, quando preciso de 30 mil? Vocês vão recolher os corpos das 36 mil pessoas que vão morrer porque temos apenas 400 ventiladores".

Nos cuidados intensivos existem, neste momento, três 3 mil camas, vão ser necessárias cerca de 40 mil.
PUB  
PUB  
PUB