Home / COVID-19 / Taxa de desemprego na Zona Euro aumentou pelo terceiro mês consecutivo
PUB

Taxa de desemprego na Zona Euro aumentou pelo terceiro mês consecutivo

O PIB da Alemanha caiu 10,1% no segundo trimestre do ano.
31 Jul. 2020
Taxa de desemprego na Zona Euro aumentou pelo terceiro mês consecutivo
PUB
Depois de se manter inalterada em março deste ano, a taxa de desemprego na Zona Euro aumentou, pelo terceiro mês consecutivo, para os 7,8% em junho, naquele que foi o quarto mês em que as medidas de confinamento vigoraram na região, segundo o Eurostat. Os valores de maio foram também revistos em alta, de 7,4% para 7,7%.  No que diz respeito ao turismo, com as limitações aplicadas pelo Reino Unido – um dos principais mercados...
Depois de se manter inalterada em março deste ano, a taxa de desemprego na Zona Euro aumentou, pelo terceiro mês consecutivo, para os 7,8% em junho, naquele que foi o quarto mês em que as medidas de confinamento vigoraram na região, segundo o Eurostat. Os valores de maio foram também revistos em alta, de 7,4% para 7,7%. 

No que diz respeito ao turismo, com as limitações aplicadas pelo Reino Unido – um dos principais mercados emissores de turistas para a Península Ibérica – o setor em Portugal e Espanha põe as mãos à cabeça, preparando-se para um ano ainda pior do que esperava. 

O PIB da Alemanha caiu 10,1% no segundo trimestre do ano, a queda mais acentuada desde o início dos registos, foi hoje anunciado. O instituto federal de estatística alemão disse que a queda foi mais do dobro da maior registada durante a crise financeira e económica de 2008 e 2009.

A Bolsa de Lisboa abriu esta manhã a cair 1,36% para 4.336,00 pontos. Lá fora, Paris descia 0,56%, Frankfurt recuava 1,80%, e Madrid perdia 1,37%. "O novo recorde de casos de COVID-19 nas últimas 24 horas pressiona os preços das ações do velho Continente”, segundo Miguel Ciobanu, da XTB. Já a Bolsa de Nova Iorque encerrou a sessão de ontem em terreno positivo, depois de a Fed anunciar que as taxas de juro vão permanecer inalteradas no intervalo de entre 0% e 0,25%. Este valor manter-se-á assim até que o banco central esteja "confiante de que a economia tenha enfrentado os eventos recentes e no caminho de alcançar o pleno emprego e a estabilidade dos preços”.
PUB  
PUB  
PUB