Home / Mercado / Sair do diesel leva tempo
PUB

Sair do diesel leva tempo

A queda do diesel está impactando 35.000 empregos na indústria automóvel francesa e com reflexos similares no resto da Europa.
15 Out. 2020
Sair do diesel leva tempo
PUB
Sair do diesel leva tempoO fim do diesel na França não pode ser feito da noite para o dia. O sindicato CFE-CGC Métallurgie lembra aos políticos que, além da consistência nas decisões, leva tempo para um setor que funciona em ciclos longos. Há alguns anos que os motores a diesel estão em desuso. Eles foram, no entanto, amplamente ajudados pelos governos pelas suas baixas emissões de CO2 ou mesmo por tributação favorável. No...
Sair do diesel leva tempoO fim do diesel na França não pode ser feito da noite para o dia. O sindicato CFE-CGC Métallurgie lembra aos políticos que, além da consistência nas decisões, leva tempo para um setor que funciona em ciclos longos.

Há alguns anos que os motores a diesel estão em desuso. Eles foram, no entanto, amplamente ajudados pelos governos pelas suas baixas emissões de CO2 ou mesmo por tributação favorável. No entanto, as partículas finas, o Nox e finalmente o dieselgate acabaram por desacreditar este motor que, no entanto, assumiu muitos desafios para conseguir um controlo da poluição que muitas vezes é melhor do que a dos motores a gasolina. 

É necessário, portanto, mudar tudo. Mas tem um grande impacto em toda uma indústria que opera em ciclos longos. Com base nessa constatação, a CFE-CGC Métallurgie, preocupada com empregos na indústria automóvel ligados a motores a diesel, pediu ao governo gaulês na terça-feira, 13 de outubro de 2020, "coerência e consistência na questão do diesel", com "uma trajetória clara" e um "ritmo (de) mudança" ao longo de vários anos.

"O setor automóvel está a passar por mudanças regulatórias e fiscais extremamente rápidas, mas leva de três a cinco anos para fabricar e projetar um veículo", disse o sindicato num comunicado. Para que seja "humanamente possível" a adaptação da indústria automóvel, o CFE-CGC Métallurgie "exige que a taxa (de) variações seja de três a cinco anos e não anual, ou mesmo trimestral, nem numa sequência dispersa e que essas mudanças sejam coerentes entre os diferentes componentes do Estado”. 

Excluir os veículos a diesel do bónus de conversão "só pode enfraquecer ainda mais uma indústria automóvel que está trabalhando duro na transição energética, apesar de todas as dificuldades relacionadas à Covid-19”, alerta o sindicato, lembrando que empresas do setor "já estão negociando uma série de acordos de competitividade após o colapso do mercado”. 

"A transição energética é uma grande questão ecológica, mas para ter sucesso, e principalmente no setor automóvel, deve ser feita de forma compatível com os prazos de desenvolvimento do setor”, afirmou o sindicato. De acordo com o CFE-CGC Métallurgie, "o declínio do diesel está impactando 35.000 empregos na indústria automóvel" francesa, "empregos localizados na França e essenciais para os territórios e seu tecido económico local”. Para "salvar” esses empregos, os colaboradores devem adquirir "novas competências” e "esta aquisição só pode ter sucesso na base de um contexto regulatório estável e coerente”, insiste o sindicato. (com AFP)
PUB  
PUB  
PUB