Home / “Metade das lojas vão despedir e outras nem reabrem em Junho"
PUB

“Metade das lojas vão despedir e outras nem reabrem em Junho"

Na visão da ex-jornalista da TVI, Judite de Sousa, “vem aí um período muito negro” e a grande maioria dos negócios não vai resistir à crise. Nestes negócios, inclui-se, naturalmente, todo o setor da reparação e manutenção automóvel.
21 Mar. 2020
“Metade das lojas vão despedir e outras nem reabrem em Junho"
PUB
Judite Sousa, ex-jornalista da TVI, decidiu dar a sua opinião ao Jornal SOL sobre a crise que o país enfrenta devido ao aparecimento do COVID-19 e o impacto que esta pandemia terá no futuro do país  Na visão de Judite de Sousa "vem aí um período muito negro”e a grande maioria dos negócios não vai resistir à crise. "O país parou. Literalmente tudo. Só os supermercados estão a funcionar. Uma saída de carro por Lisboa permite...
Judite Sousa, ex-jornalista da TVI, decidiu dar a sua opinião ao Jornal SOL sobre a crise que o país enfrenta devido ao aparecimento do COVID-19 e o impacto que esta pandemia terá no futuro do país  Na visão de Judite de Sousa "vem aí um período muito negro”e a grande maioria dos negócios não vai resistir à crise.

"O país parou. Literalmente tudo. Só os supermercados estão a funcionar. Uma saída de carro por Lisboa permite descobrir uma cidade fantasma. António Costa fala em três meses. E deixa antever que o estado de emergência vai ser renovado. A minha pergunta é: como será possível aguentar mais três meses num país que está dependente dos serviços, do turismo e que tem crescido muito em razão do consumo interno?”, começa por questionar a ex-jornalista, que acredita que o ”pequeno comércio não vai ter dinheiro para resistir” e "metade das lojas vão despedir e outras nem reabrem em Junho. Três meses significa uma recessão económica”, aponta.

”É difícil encontrar uma saída perante este inimigo invisível mas há que encontrar uma forma de calibrar as medidas passado o pico da infecção. Se não morrermos da doença, iremos morrer da cura. Tudo o resto é conversa de quem não está a ver com os seus próprios olhos o fantasma em que o país se tornou”, remata.
PUB  
PUB  
PUB